22.3.07

Depois de sair do Cacilherio de Ary

Passam cervejas, vagabundos, artistas,
contribuintes banais, aspiradores.

Disfarçam a sorte, o medo,
pequenos temores.

Despejam o lixo, o cérebro, o erro
e ainda vapores.

Rasgam o tempo, o largo,
a roda, a saia,
são violadores.

3 comentários:

  1. conheço isto de algo lado...
    ;)

    ResponderEliminar
  2. interessante poesia...
    ...ou palavras soltas que se ligam...

    ResponderEliminar