15.9.05

Regresso; não-regresso

Não sei se árvore, não sei se sal, não sei se fumo. Nas ondas do abraço te trepo - a tua saúde pontiaguda, ou janela azul, ou lezíria mental.
Não sonho se fico, não sonho se livro-fechado, não finjo se sonho. É a verdade.
E, no entanto, fumega.
Eu era total. Bebia dos barcos que te atravessavam os olhos; unicórnios com velas, o vento, círculos de fogo; não dormia. Não sei se ramos estalavam antes de me fintares pelas flores do sono. Árvore seca, talvez, no vermelho da terra, do vermelho sem estrada. Do trilho de um amor que não digo porque não é da natureza mofa deste dardo sem alvo; a palavra subterrânea; sem aquedutos de luz.
Não sem sal, não sei se vale o que te sonho, não sei explicar e tal. Eras distante, mas vital. Caminhas descalça como se já não houvesse mais vinho por pisar; tanto bebido; bebemos tudo? Lembras-te como engolíamos o azul para que não nos fugissem as nuvens?
E, no entanto, queima.
Os degraus são demasiado duros para dobrar, ficam mais pesados por cada lata que cai; pedra impermeável com buracos de lágrima.
Não sei se luto, não sei se branco de desistir. Bala de pânico, canudo apontado à testa, revolver faminto - sistemático-nulo.

5 comentários:

  1. Caro Sílvio,

    de facto, como tão bem apontaste, o verbo gostar torna-se irrelevante quando lemos as confissões da alma, os rascunhos que vão cá dentro, as palavras enigmáticas e ambivalentes que se tornam letrinhas a tentar fazer sentido, e o som que elas tem na cabeça de quem as lê, tantas vezes diferente do som de quem as disse enquanto as teclava, murmurando baixinho para que o mundo inteiro as ouvisse...

    É a primeira vez que estou no teu blog, e numa atitude demasiado obvia fui logo ler o post mais recente. Mas prometo voltar para dar uma olhadela mais atenta. Peço-te adiantadamente desculpas se não fizer muitos comentários, mas, contrariando aquilo que seria a netiqueta mais correcta, gosto de fazer poucos comentários... enfim, minha falha

    és muito bem vindo ao Luz e Sombra, e espero que tenha sprazer em estar com a nossa mini tribo, estando já convidado a participar nos nossos desafios!

    um abraço,

    Der Uberlende

    ResponderEliminar
  2. Gostei mt do que li. Só passei mesmo para dizer isso porque estou sem palavras para comentar. Continua*

    ResponderEliminar
  3. Já tinha saudades das tuas palavras. É bom ter-te de volta.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. the angel of music sings songs in my head...

    ResponderEliminar